“Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça”.

Murro em Ponta de Faca conta a trajetória de três casais de brasileiros exilados – burgueses, operários e intelectuais – e obrigados a conviver no mesmo espaço físico. E, a despeito das diferenças, descobrem-se ligados por um sentimento comum: não pertencem a lugar nenhum, vivem em um tempo suspenso. “Boal costumava manter certa distância em relação aos seus personagens, um olhar irônico. Mas, aqui, é como se ele se identificasse, tivesse uma afetividade por eles. É um texto sobre exilados escrito por alguém que também estava no exílio”, comenta Paulo Jose, sobre o conteúdo e diz que não foi preciso fazer nenhuma alteração no texto original, e afirma, “hoje ainda observamos, mundo afora, muitas pessoas sem Pátria, sem porto, sem identidade, claro que em outro contexto, mas nem por isso menos exiladas”; e conclui que o texto foi escrito como se a história ocorresse nos dias de hoje, em “linguagem coloquial e contemporânea”.

Separamos mais de 8 horas de vídeos sobre o espetáculo Murro em Ponta de Faca e ditadura militar. Acesse já todos os vídeos para você entender mais sobre a Ditadura Militar.